Acessibilidade
Contato

Do Sulco Ao Bit

Do Sulco Ao Bit

31/12/1969

19h - 21h

Oi Futuro Ipanema

Salvar na Agenda
Início Término

Curadoria: João Carino, presidente do Instituto Memória Musical Brasileira
“Do Sulco ao Bit”, como o nome sugere, parte das gravações em sulcos dos discos de acetato em 78 rpm até os bits digitais.
Este projeto integra o calendário de eventos comemorativos pelos 10 anos do IMMuB, organização voltada à pesquisa e preservação da memória musical brasileira. O Instituto já mapeou e catalogou mais de 81 mil discos produzidos no país, o equivalente a cerca de 800 mil fonogramas, reunindo cerca de 90 mil compositores e intérpretes. A catalogação abrange toda a história da música brasileira, desde a primeira gravação em 1902 até os lançamentos recentes. O acervo segue em constante expansão e está disponível para consultas gratuitas no portal: www.immub.org.br
 
 
Dia 16 de novembro, quarta-feira, 19h 30 | DO CHORO À MÚSICA  ELETRÔNICA
O quarto e penúltimo tema do ciclo de encontros mensais Do Sulco ao Bit será “Do choro à música eletrônica”. A edição terá a participação de Henrique Cazes, Claudia Assef, Conjunto Época de Ouro e DJ João Fernando. O cavaquinista Henrique Cazes vai rebobinar a história do choro, um gênero tocado com instrumentos acústicos, nascido no Rio de Janeiro há cerca de 150 anos, influenciado pela música europeia e pelo lundu. Desde os pioneiros Joaquim Callado e Chiquinha Gonzaga, passando pela evolução do gênero, com a chegada de compositores como Ernesto Nazareth e Pixinguinha. O choro foi decisivo na formação das orquestras brasileiras e fez muito sucesso no final dos anos 40 e início dos anos 50 a bordo dos talentos de Waldir Azevedo, Altamiro Carrilho, Abel Ferreira e Jacob do Bandolim. Após um declínio nos anos 60, o choro voltou à moda na segunda metade dos anos 70, com os festivais dedicados aos seus grandes nomes. Desde meados dos anos 90, uma nova geração de chorões se estabeleceu na Lapa, entre eles Hamilton de Holanda, Yamandu Costa, Nicolas Krassic e Eduardo Neves, e, desde então, o gênero não saiu mais de cartaz.
A música eletrônica segue um caminho paralelo, executada com instrumentos elétricos, especialmente teclados. A jornalista e DJ Claudia Assef tratará de suas tendências, da introdução de instrumentos acústicos e da mistura com a música brasileira que faz sucesso. O tradicional conjunto Época de Ouro, criado pelo célebre Jacob do Bandolim, vai interpretar clássicos do gênero ao lado das carrapetas do DJ João Fernando. “Com esse ciclo de encontros desejamos identificar, valorizar e resgatar partes da memória musical brasileira que nem sempre estão em evidencia, facilitando o acesso e reconhecimento do vasto patrimônio musical nacional. Também queremos possibilitar que historiadores, artistas e especialistas expressem as suas visões sobre cada um desses períodos, além de abrir espaço para o debate e a troca de conhecimento com o público”, diz o produtor cultural e presidente do IMMuB, João Carino, que está fazendo a mediação de todas as edições.

Data: 16/11 (quarta-feira) 

Horário: 19h30
Entrada: Gratuito, senhas distribuídas 30 minutos antes.
Classificação: Livre.
 
 
Já rolou: 
 
Dia 5 de outubro, quarta-feira, 19h 30 | DO MAXIXE AO FUNK
O ciclo que rebobina a história da música brasileira, mostrada sob a ótica de especialistas e pesquisadores, continua em outubro. O tema deste segundo encontro é “Do Maxixe ao Funk”.
Com: Carlos Sandroni e Silvio Essinger + Pedro Paulo Malta e DJ Sany Pitbull
O maxixe sofreu lá atrás o mesmo preconceito e proibição que o funk sofre hoje. Esse será o ponto de partida do debate entre o pesquisador Carlos Sandroni e o jornalista Silvio Essinger, que vão destrinchar a biografia polêmica dos dois gêneros. Os xis da questão está concentrado na sua dança, considerada libidinosa pelos conservadores. O cantor e pesquisador Pedro Paulo Malta levantará a bandeira do maxixe, junto com o DJ Sany Pitbull, rei dos bailes funks.

Dia 14 de setembro | Do Samba à Bossa Nova

Com: 
Nei Lopes e Ruy Castro + Soraya Ravenle, Zé Paulo Becker e Oscar Bolão 
Nei Lopes e Ruy Castro vão esmiuçar a história do samba. A dupla abordará seus principais personagens e gêneros irmãos, como samba-choro, samba de breque e o samba-canção, o mais próximo da bossa nova. Sucessos de João Gilberto, Garoto, Valzinho, Custódio Mesquita e Tom Jobim estarão no set list da cantora Soraya Ravenle.
 
Dia 17 de agosto
Com: Fred Coelho, Hugo Sukman, Alfredo Del Penho

O primeiro dos cinco encontros mensais da série DO SULCO AO BIT reuniu o conhecimento de dois pensadores da música brasileira: Fred Coelho e Hugo Sukman. A dupla revisitarou a história de todas as mídias, desde a chegada do disco ao país. Curiosidades sobre as primeiras gravações, como o disco de 76 evoluiu para 78 rpm, a explosão da venda dos gramofones e, depois, das vitrolas, e a música digital que nasceu junto com os anos 90. O cantor e compositor Alfredo Del Penho fez uma participação especial, ilustrando trechos de músicas que marcaram todo esse período, até hoje, com a força da Internet e a circulação sonora através do download.
 

Inscreva-se e faça parte da nossa rede! Receba informações sobre editais, cursos e programação



#JuntosTransformamos