Acessibilidade
Contato

Yuval Noah Harari e Mayim Bialik no SXSW 2021: Por que tememos a mudança e a inovação?

18/03/2021

Yuval Noah Harari e Mayim Bialik no SXSW 2021: Por que tememos a mudança e a inovação?

No marco de um ano em que o mundo enfrenta uma pandemia global que nos encarcerou em nossas próprias casas e nos tirou o convívio social, fazendo a humanidade questionar se algum dia voltaremos a ter uma “vida normal”, o SXSW lança a pergunta: por que temos medo da mudança? A conversa que se desenrolou a partir daí deu origem a uma das conferências mais esperadas do “South by Southwest” (SXSW), o maior evento de inovação do mundo, que este ano se transformou para se adequar aos novos tempos e está acontecendo de forma totalmente remota e digital.

Cada um de um lado da tela, o filósofo e historiador Yuval Noah Harari conversou com a doutora em Neurociência e atriz Mayim Bialik, que ficou conhecida pela série “Big Bang Theory”. Ambos autores de best sellers, eles concordam que, não importa quão diferente e estranho o mundo possa estar ou ficar, a interação humana é insubstituível.

“A AIDS não matou o sexo. Da mesma forma, o COVID-19 não matará os abraços. Nós voltaremos a nos abraçar quando tudo isso tiver passado. Isso não morrerá”, disse com convicção Harari, que não é notavelmente conhecido por seu otimismo quando analisa o presente e olha para o futuro. A afirmação, que pode parecer controversa em tempos como os de agora, com pandemia e redes sociais que virtualizaram os relacionamentos e interações humanas, foi reiterada por Bialik: “O homo sapiens sapiens é feito dessas inter-relações. A necessidade do contato humano, do toque não mudará”.

De resto, tudo pode e deve mudar. “Nosso cérebro”, explica Mayim, “é altamente adaptável e orientado a aprender e incorporar novas experiências. Mas, em última análise, tendemos a buscar o caminho de menor resistência.” Nossa mente resiste a novas ideias, ao mesmo tempo que busca por elas. Inovar é inevitável, mas causa insegurança.

As inovações tecnológicas estão no centro da mudança, seja ela social, política, biológica ou em qualquer esfera da vida contemporânea. Para Yuval, é dever dos criadores de conhecimento e tecnologias escolherem ser promotores das mudanças realmente necessárias para o futuro do planeta e da humanidade. “Precisamos alcançar o maior número de pessoas de realidades diferentes e traduzir para elas o conhecimento acadêmico.”

Por isso, segundo Yuval, o storytelling é tão importante. O homem é um contador e consumidor de histórias por natureza. É assim que a humanidade se desenvolveu. A decisão de Mayim de se tornar atriz, escrever livro, fazer um podcast sendo neurocientista focada em saúde mental seria uma inspiração para outros cientistas. “Eu espero que isso abra caminho para outras conversas, mais amplas, sobre quem tem acesso a informação, a cuidados médicos, a atenção à saúde mental, quem tem voz”, afirmou a atriz.

Assim é vista também a iniciativa de Harari de traduzir a história da humanidade contada em seu livro “Sapiens” para uma versão ilustrada em quadrinhos. “Precisamos de bons contadores de história. As religiões passam suas crenças a partir de histórias, assim como as ideologias políticas, a própria ciência, as Fake News. Então precisamos transformar conceitos, ideias e teorias complexas não somente em modelos matemáticos e estatísticas, mas em histórias que possam alcançar as pessoas comuns e fazer com que elas se relacionem com esse saber, que possam compreendê-lo”.

Ele advoga que esse espaço precisa ser tomado por cientistas, historiadores, médicos, desenvolvedores de Inteligência Artificial, produtores de conhecimento. “Se não ocuparem esses espaços, pessoas com menos ética e responsabilidade, descomprometidas com o bem-estar social e o futuro do planeta ocuparão”.

Yuval direcionou boa parte de sua fala aos profissionais e à indústria de Tecnologia da Informação e Inteligência Artificial e convidou os criadores de nosso tempo a fazerem um exercício criativo a cada novo app ou ferramenta que estiverem trabalhando para desenvolver e lançar.

“O nosso mundo hoje é moldado por algoritmos. Não é ficção científica, é uma realidade. Nos últimos 20 anos as pessoas mais inteligentes do mundo estão reunidas em torno de um objetivo: encontrar uma fórmula de fazer maior número de pessoas clicar em um link. Eles conseguiram.” Mas, por que essas as mentes mais brilhantes do nosso tempo estão focadas em resolver este problema e não enderençando outras questões?

“A forma como desenvolvemos tecnologia é uma escolha nossa. Quem está desenvolvendo algo deve parar e pensar por um momento como a pessoa com poder que ele mais despreza no mundo poderia usar o seu invento. E aí, volte para sua obra e talvez dessa reflexão surja uma maneira um pouco diferente de desenvolver sua inovação”.

Mas afinal, por que tememos a mudança? “Recomeçar não é confortável, aprender algo novo não é fácil. Se olharmos para a biologia, somente uma pequeníssima porcentagem das mutações são favoráveis. Olhando para a história da humanidade, as grandes revoluções trouxeram mais miséria do que felicidade”, defende Yuval. Mas se para o planeta e os animais as coisas pioraram muito nos últimos 100 anos, para os seres humanos esse é o melhor tempo da história para se viver, segundo o autor: “Nunca fomos tão poderosos, saudáveis e em paz como atualmente. Pela primeira vez na história, a violência mata menos do que acidentes ou doenças. Mas isso não nos faz mais relaxados. Quando você entende que as coisas podem melhorar, isso te faz mais consciente e responsável pela mudança”.

Olhando para o último ano, o filósofo autor de “21 lições para o século 21” afirma que, do ponto de vista científico, nunca estivemos tão prontos na história para enfrentar uma pandemia: “Se não o fizermos,  se falharmos, não é uma lei da natureza infalível. É porque sofremos uma total ausência de sabedoria política. Espero que isso nos faça entender o quanto somos responsáveis pelo nosso próprio futuro como espécie”.  “Essa foi a fala mais otimista de Yuval em toda a nossa conversa e eu não poderia concordar mais”, concluiu Mayim.

 

Inscreva-se e faça parte da nossa rede!
Receba informações sobre editais, cursos e programação


Confira a política de privacidade

Cancelar meu cadastro na rede do Oi Futuro

×

Não quer mais receber os nossos e-mails?

Seu e-mail foi removido com sucesso.